Salmo 13

Até quando, Senhor? Esquecer-te-ás de mim para sempre? Até quando ocultarás de mim o rosto? —Salmo 13:1

Romanos 5–8

Certa mãe procurava um livro numa biblioteca local com sua balbuciante filha de quatro meses, quando um senhor idoso lhe disse rudemente para aquietar seu bebê ou ele o faria. A mãe respondeu: “Lamento muito pelo que possa ter ocorrido em sua vida para perturbar-se com um bebê feliz, mas não direi a meu bebê para calar-se e também não deixarei que o senhor o faça.” O homem abaixou a cabeça, desculpou-se e contou-lhe a história de como, há mais de 50 anos, seu filho morrera em decorrência da síndrome da Morte Súbita Infantil. Ele reprimira seu pesar e raiva todos aqueles anos.

No Salmo 13, Davi expressou seu pesar. Ele se dirigiu a Deus usando uma linguagem crua e honesta: “Até quando, Senhor? Esquecer-te-ás de mim para sempre? Até quando ocultarás de mim o rosto?” (v.1). Estas perguntas refletiam medo de abandono. A linguagem de angústia de Davi deu lugar a um pedido de ajuda e reafirmação de sua fé no amor de Deus por ele (vv.3-6). A confiança e a coragem acompanharam o grito de angústia.

Todos nós enfrentamos noites escuras na alma quando nos questionamos se Deus nos abandonou. Como ocorreu com Davi, nossa dor pode dar lugar à alegria quando nos aproximamos de Deus honestamente, pedimos ajuda e reafirmamos nossa confiança num Deus cujo amor por nós nunca vacilará ou mudará.

Deus nunca nos deixará, nem abandonará.